Saudade de Ático Villas Boas da Mota

Através do membro da Academia de Letras da Bahia, Dr. Joaci Góes, soube do passamento do Professor Dr. Ático Vilas-Boas da Mota que, em 1951, comigo e outros companheiros, entre eles Carmem de Berlim, José Carlos Wanderley Guimarães, Leão Gomes Junior e, por sua indicação, abrimos no Largo da Saúde, 9 uma casa onde além das atividades culturais do CEPA, éramos também uma pensão para alunos do interior que vinham estudar na capital. Convivemos durante esses anos todos e estive em Macaúbas também com o saudoso Hermano Gouveia Neto, fundador da Academia Baiana de Educação, onde verificamos a ideia da fundação Professor Mota, pai de Ático, em Macaúbas.
Seu pai era o Professor José Baptista da Mota e sua mãe era Aida Frota Vilas-Boas Mota, descende por linha materna das tradicionais famílias caetitenses – Frota e Vilas-Boas e ainda Silveira e Antunes. Foi Doutor em Letras pela Faculdade de Filosofia,Ciências e Letras da USP, morou na Romênia um certo período, lecionou português na fundação Brasil-Romênia, efetuando grande parte de sua formação acadêmica. Voltando ao Brasil lecionou na Universidade Federal de Goiânia, foi lente-fundador da cátedra de Literatura Oral. Olhou em Goiás com muita atenção a cultura e história desse estado. Folclorista, tratou da literatura de cordel, gírias e expressões idiomáticas. Escreveu sobre ciganos, que denominou ciganologia. Adotou o termo folclorística para os estudos relativos à cultura popular. Em 1991, estabeleceu-se na cidade de Macaúbas. Membro da Associação Goiana de Imprensa, da Associação Brasileira de Escritores, das Comissões Goiana e Baiana de Folclore, Imortal da Academia de Letras de Brasília, onde ocupou a cadeira 7. Em 2004, é eleito membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, recebido por Cybelle de Ipanema, o discurso de posse tratou das relações culturais Brasil-Romênia. Membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, da congênere de Goiás do Rio Grande do Norte, também do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros. Presidente da Comissão Nacional de Folclore, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros e em 2014 diplomado correspondente da Academia Caetiteense de Letras.

Publicou as seguintes obras:

Ciganos – antologia de ensaios. Thesaurus, Brasília, 2004
Ciganos – Poemas em Trânsito. Thesaurus, Brasília, 1998.
Momentos da História dos Romenos. Thesaurus, Brasília, 1988.
Romênia: Poemário Telúrico – Thesaurus, Brasília, 1998
Rezas, Benzeduras, Etcetera. Goiânia, Editora Oriente, 1977
Uma Noite Tempestuosa – (tradução) de Ion Luca Caragiale, Thesauros, Brasília, 2004
Uma carta perdida – (tradução) de Ion Luca Caragiale, comédia em quatro atos, Thesaurus, Brasília.
Brasil e Romênia: Pontes Culturais – Thesaurus, Brasília/Rio de Janeiro – 2010 (a obra teve lançamento na Academia Brasileira de Letras.

Nós fizemos a revisão do livro Brasil e Romênia: Pontes Culturais e, nessa obra, colocou Ático a minha polêmica com Adalmir Miranda sobre o livro Vigésima Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu. O autor romeno esteve na Bahia nos anos 90, a convite da Universidade Católica do Salvador e mandou procurar o primeiro comentarista da Vigésima Quinta Hora, que foi eu, com o qual e o grupo do Reitor, Monsenhor Veiga, houve um jantar em hotel no Carmo.

Poliglota, falava várias línguas e, na presidência de Jânio Quadros, foi convidado a acompanhar a comitiva, pois sabia as línguas da Europa Oriental.

Como um dos companheiros da fundação do CEPA, Ático deixa não só a mim, mas aos que estamos na batalha, muita saudade e lembrança. Lembro que a Sra sua mãe, Dona Aida, ficou hospedada na Saúde, 9, uma vez que estava com problemas cardíacos e todo CEPA a tratou com o maior carinho. Heidegger dizia que, em alemão, saudade quer dizer lembrança da casa e eu diria lembrança de um movimento educativo e cultural, o que é pouco para dizer a estima e amizade que tive e tivemos com Ático. Esse, porém, é a ocorrência natural da vida.

Germano Machado – Fundador do CEPA e amigo de Ático Vilas-Boas da Mota.

This entry was posted in Artigos, CEPA, Notícias. Bookmark the permalink.

One Response to Saudade de Ático Villas Boas da Mota

  1. Alan José Alcântara de Figueiredo says:

    Senhor Germano Machado, estamos organizando uma publicação em homenagem ao Prof. Ático com o título “Um ano sem o mestre.” Procurando mais textos escritos nesse período encontrei o seu, o qual incluiremos, se não se opuser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *